terça-feira, 9 de outubro de 2012

O Pensar e o Eletrochoque


O Pensar e o Eletrochoque
                                                    por Cleder Zvonzik
 
Nas têmporas de suas consciências,
vem à flor a colisão dos neurônios.
Que agora_ em efervescência_
desordenados ardem em sinapses veementemente ardorosas.
Convulsionando vontades
Desapropriando quereres.
“Feito um cair no sono quando ainda dormindo”

Repressão pelos olhos
Mas não há venda visível.
Sem que exista véu... cobertos são os rostos.
Cobertos são os olhos... Cobertos são os arbítrios.
 
Presos à camisas de um estranho corte
São apenas mais um objeto de experimentação!
 
Catedráticos sorriem.
Fins científicos...

Nas efemérides são apenas alguns números a mais.
Nada de mais!
Além do mas,
números são números.
A quem por demais satisfaz!?
 
Sempre a postos garçons,
à mesa são servidos (sem que se peça)
exóticos coquetéis com nome de abraço reconfortante:
Para protegê-los de um dito “outro eu” neles incubado, afirmam!
Antes que seus demônios queiram sair para brincar, dizem!

Ingeridas, então, as delicadas iguarias_Refeição solene!
transportados são para um outro mundo!

Mundo da lua, mundo paralelo... Desmundo!

Nesse outro lugar_ distante_ ninguém é seu igual.
Por seus corredores largos e vertiginosos
Corpos seriados se arrastam lentos,
em descompassadas passadas, espessas, pesadas.
Na opacidade lenta do que é autômato!
Na letargia das pálpebras sempre a meia altura
Alheios a tudo! a todos! longe, longe...
Distantes, apartados... arrebatados

Todos que para lá vão
tão logo se afastam de si... De si se perdem, de si se evadem,
                                                                               [se desviam
                                                                                 [e cada vez mais...
Mais e mais...
Perpétuo! Contínuo!
Demasiadamente longe ficam de si.

De suas almas egressas_ acantoadas_ têm o abismo.

Sua referencia é um canto maldito.
Escuro e sem luz 
Lá é sempre noite... e a neblina nunca baixa
A todos, então, vai cegando!
E diante da cegueira_ cujo dia nunca amanhece_ 
(Enquanto vão perdendo o que ainda resta de luz)
seus pedaços não conseguem encontrar
Tampouco os reconhecem!

Olhos semicerrados
   Perdidos!
 
     Fora de
   si                                                  
                                                                                                                                                                

                                                                                                                                                                                                           Fora de foco
                    
                                                   Tropeçam
                                                                  no c
                                                                            a  o
                                                                                

                                                                                     s,
 



                                                                                                                       caem no vazio...
                                                                                                  ...










                                                                                                            ...

















                                                                                                                 ...



                                                                      


















...


 
                                                        ... 
E aonde chegar se arrastando assim
                                     [em círculos quase simétricos
Com o olhar deveras enevoado, disperso... labiríntico
Perseguindo seus pés... Perseguindo suas calçadas
Tão pisadas quanto suas almas diluídas.

Pesam os passos... Pesados, infalsos
Pesam os pesadelos. Liségicos!
Pesam os pesares
Pesam, e pesam
E pesam

Difusa difusão
 
E saindo de lugar algum,
vão circundando por um centro extrínseco e íngreme
A nenhum lugar chegam... ou podem chegar 
 
Cantos de dor de lá ecoam sem audição!
 
Sem reflexo
Todos se transportam para um espelho aos estilhaços 
Não há mais rosto... Não há mais corpo
Procurar por quem?!
Como sair?
Chaves: Não existe porta ou portões para se fechar ou abrir

Alma, não se sabe para onde foi!
Não há mais querer
E tudo logo se torna cansaço.

Dois universos se colidem. Formando um terceiro em pedaços
 
Aos tormentos, residentes desse martírio,
nele moram sem habitar
Nada recobram.
Respiram mortos frente à lucidez que se encerra.
Sem vida... Tardam para morrer!
 
Nada mais são para aqueles que por eles passam
Para aqueles que apenas passam.

De repente uma fresta
Então um dos desafortunados consegue se ver!
       "E como quem se alimenta às pressas
        tenta engolir o máximo possível de si:
        devorando-se com sofreguidão
        No anseio exagerado de consegir algo rapidamente
        Uma lembrança qualquer... Cheiro da infância
                                                                [acampamento de música, quiça
        Ambicionando-se desmedidamente
                                                          [em quase sexual desejo
        Impaciente por um pouco de si... Urgência, pressa do eu!"
...Mas tão logo eles vêm, e veem o seu eu
                                                          [inadequado.
"Soturna reestreia de despedida!"

Então, é uma outra dose...
 
E num abraço que o une nova e estreitamente ao vazio
O vislumbre de si,
pouco a pouco, torna-se um flerte sem resposta
                                                                     [outra vez.

De seus gritos:
(Dor que, então, lacina) 
Tem-se o seu oco
De seu olhar descorado e pouco
O seu eco... ... ... para dentro, rouco!!!

Respondem com a eletrificação da carne, da alma, do eu...
Das vontades.
Do querer
 
E de novo ele se perde de vista
Um outro nele presentemente vive
E outra vez de ele ele se afasta...  

Novamente vai morar longe de si
 
               Dedicado a Austregésilo Carrano Bueno

2 comentários:

  1. Cleder!
    Quanta densidade, hein?!
    Parabéns! O texto nos faz tropeçar, cair, se arrastar... Isso é incrível! Demonstra que sabe manejar a escrita poética!
    Continue nos deleitando com sua escrita densa que revela a heterogeneidade da "poesia".
    Beijos!

    ResponderExcluir