domingo, 24 de fevereiro de 2013

Amor Simples do Sertão (Caminhos)




Amor Simples do Sertão:Caminhos


Temos um amor simples do sertão
Um amor simples e forte do sertão
Amor daqueles que desafia Corisco e Lampião


 Nossa morada é larga e arejada
E o teto sob o qual nos amamos nos acolhe
como a uma manta estendida no firmamento

                                                       [em tom azul divino 
Por ele deslizam diamantes
que deságuam no mais seco horizonte matutino                                                                                                                                                                     
As paredes de nosso lar a tudo ouvem,
cujo vento pendura quadros desidratados de paisagens
                                                                 [quase mortas
que se movem quase vivas...
Sem moldura, e com todo dissabor
                                        [e com toda a agrura


 Sim! É árido o nosso quintal
Nele semea-se sede...
Sim! É vasto e insensível o nosso quintal
Porem, mais vasto é o nosso amor!


Nosso amor é assim
É como namoro de praça de cidade pequena
Nos amamos aos montes
no mar, e nos montes, montanhas e matas, e bosques e  fontes
                                                                    [de nosso imaginar


O nosso amor é assim
Bem diferente do amor das capitais, dos capitais.
Não mente para ser bem visto
É ele a céu aberto!
À vista de todos
Amor que a tudo renuncia, a tudo se desapega
Amor que vive apenas do que é indispensável para o outro!


 Dizem os tolos que não temos nada, que não temos ninguém
Riem de nosso amor
Não sabemos!
O que sabemos é que temos um ao outro.


Temos um amor como aquele que viaja apenas com a roupa do corpo
Que carrega trocados, que pede por água
E que pede
e pede...


 Nosso melhor adorno é a pele um do outro!


Dizem que temos que mudar:
Mas quem nos diz, não muda_ não cultiva mudas
E quando perguntados do porquê
Tais vozes se fazem mudas, a boca não se desnuda.
Calam-se!
E suas palavras entram assim com saem: sem audição!
Nada ouvimos!
Nesses momentos somos a eles surdos.
Ouvindo apenas a voz do coração, dos nossos corações
Que se traduzem em um
E tão somente em um
Ainda sendo dois


 Voz que é ouvida apenas por amores simples e fortes
                                                             [como o nosso do sertão


Voz que rega o solo seco
Voz que leva a quem tem sede toda água em fonte

 Somos assim
Simples de coração
Vivendo um amor simples do sertão


quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Aquele Verso




Aquele Verso
                                                                                                    por Cleder Zvonzik




Hoje revirei todos meus discos
                                                                                               Queria aquela canção!
                           Ficaram todos ali; espalhados, avulsos pelo chão



A punho escritos
Revirei todos meus papéis
                                                                                                   Queria aquele verso
                                 Desalinhadamente no profundo de mim imerso
                                                                 
                                             Revirei todos meus livros
                                                Queria aquele enredo

                                                  Revirei cada foto

                                           Procurava um olhar sem medo
                                      Um simples olhar... Sim, poesia!

                                                 De todo me revirei
                                            De todo em todo me torci
                             Ao avesso do avesso completamente fiquei


Porque eu era um amante da música
                                                                              E costumava contemplar o céu:
                                             Tantas eram as estrelas
                                                       Enredos
                                                          Segredos...

                                               E tantos eram os desejos
                                                                           


Porque eu era um amante da música!
                                                                          E sim! costumava contemplar o céu
                 E,  distraído, caminhar pela nudeza plena de seus diamantes...

                                       Qual manta tangível ausente de véu 


Porque eu era um amante da música
Dono de um clandestino sorriso
E pisava o chão com os pés de um jovem!


Amante da música



Éramos todos amantes da música